#OrePeloMundo
"Orando em todo o tempo..."
Efésios 6: 18
Início » , França: Migrantes de Calais realojados em diferentes zonas do país

França: Migrantes de Calais realojados em diferentes zonas do país

Por Gabriel Cruz | 24 de outubro de 2016


A evacuação dos acampamentos clandestinos em Pas-de-Calais, no norte de França decorre desde esta madrugada num ambiente de calma e segurança.

As autoridades francesas deram início à operação que irá permitir o desmantelamento da maior aglomeração de barracas e tendas do país. Entre seis a oito mil pessoas deverão ser transferidas para 450 centros de acolhimento situados em diferentes regiões do país.

O primeiro autocarro com perto de uma centena de migrantes deixou o local às oito da manhã desta segunda-feira rumo à Borgonha, na presença do presidente da autarquia de Pas-de-Calais. A bordo estavam 50 sudaneses. Neste campo vivem cerca de 500 menores que fazem parte de uma lista de 1.300 famílias em trânsito para o Reino Unido.

“Porque está hoje aqui?” – “ Para acompanhar os nossos amigos que conhecemos há vários meses e que partem para o desconhecido”.

“Sou do Sudão. O governo francês disse-nos que queriam levar-nos para outras cidades, porque a vida aqui é muito má e por causa do inverno”.



Há dezoito meses que aqui se amontoam em condições insalubres refugiados provenientes principalmente do Afeganistão, Sudão ou da Eritreia, com o sonho de cruzar o Canal de Mancha rumo à Grã-Bretanha.

O objetivo é fazer com que o acolhimento destas pessoas sob o estatuto de refugiado em França permita melhorar as condições de vida e evitar o aproveitamento por parte dos contrabandistas e redes de tráfico de seres humanos.

O enviado da agência Euronews a Calais comenta: “Temos falado com numerosos migrantes e a maioria não quer mostrar o rosto ou ser apresentado nas reportagens de televisão. Eles dizem que a presença dos jornalistas é embaraçosa para eles. A maioria diz que não quer ir para outros campos, preferem ficar aqui para poderem chegar ao Reino Unido”.

#OrePelosRefugiados  

Fonte: EuroNews

0 comentários :

Postar um comentário