#OrePeloMundo
"Orando em todo o tempo..."
Efésios 6: 18
Início » , Após Mossul, próximo alvo é Raqqa, capital do Estado Islâmico na Síria

Após Mossul, próximo alvo é Raqqa, capital do Estado Islâmico na Síria

Por Gabriel Cruz | 21 de outubro de 2016


Depois de Mossul (Iraque), o próximo alvo da coalizão internacional anti-extremista liderada pelos Estados Unidos é a cidade síria de Raqqa, a primeira cidade em importância que o grupo Estado Islâmico (EI) conquistou.

O presidente francês, François Hollande, advertiu que os extremistas do EI já estão fugindo para Raqqa diante do avanço das tropas iraquianas e das milícias curdas sobre Mossul.

"Não podemos nos permitir cometer erros ao perseguir os terroristas que estão fugindo de Mossul para Raqqa", disse, destacando que a cidade síria é o próximo alvo.

Nesta sexta-feira (21), o secretário de Estado adjunto americano Antony Blinken disse que a coalizão internacional contra o EI deve agora visar Raqqa. "Precisamos fazer as duas coisas, Mossul no Iraque e Raqqa na Síria", disse Blinken à emissora de rádio RTL de Paris.

Localizada em uma margem do rio Eufrates, perto da fronteira com a Turquia, Raqqa tem cerca de 200 mil habitantes e, em março de 2013, tornou-se a primeira capital de província síria a cair nas mãos dos rebeldes.

Na época, foi a Frente Al Nusra, braço da Al Qaeda no país, que conseguiu arrebatar seu controle do regime de Bashar al Assad, mas depois desavenças internas entre os extremistas levaram a uma cisão da qual surgiu o Estado Islâmico.

Os combatentes começaram a impor à população um código de vestimenta islâmica e lançaram ataques contra as igrejas, dando início a um reinado do terror no qual se multiplicaram os sequestros e as decapitações.

As piores atrocidades

Em 6 de janeiro de 2014, combatentes do EI declararam guerra total contra seus antigos aliados da Frente al Nusra e tomaram o controle de toda a cidade.

Cinco meses depois, Mossul caiu nas mãos dos extremistas e em 29 de junho o líder do EI, Abu Bakr al Bagdadi, proclamou o nascimento de um "califado" entre Iraque e Síria.

Raqqa continuou sendo o cenário das piores atrocidades, como o apedrejamento de uma mulher acusada de adultério, as crucificações ou o lançamento de homossexuais de um terraço.
Em fevereiro de 2015, o grupo publicou um vídeo em que aparecia um soldado jordaniano da coalizão que luta contra o EI queimado vivo pelos extremistas na província de Raqqa.

Segundo sua rígida interpretação do código islâmico, os extremistas impuseram na cidade a proibição do álcool e de cigarros, forçaram os homens a deixar crescer a barba e as mulheres a usar niqab (véu integral) em público.

O comércio também está regulado e só se permite a casais casados fazer compras juntos. A roupa à venda não pode ser muito justa, transparente ou muito adornada.

Na praça central, há comércio de escravas sexuais, muitas delas prisioneiras da minoria yázidi, e ali os opositores são torturados.

A cidade fica a 550 km de Damasco e para lá peregrinam os jihadistas estrangeiros que querem se unir ao grupo. Na província, o grupo pode explorar desde agosto de 2014 os cultivos de trigo e algodão, além de gerar renda com os campos de petróleo.

Desde o início dos bombardeios da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, em setembro de 2014, o grupo perdeu terreno na fronteira com a Turquia. No entanto, até agora conseguiu manter o controle de Raqqa.

"Desta cidade, o Daesh planeja os ataques externos. Raqqa é a verdadeira capital", afirmou Blinken.


Fonte: G1

0 comentários :

Postar um comentário